Rimar pelo asseio

Nas casas-de-banho públicas trava-se uma verdadeira cruzada pelo asseio na utilização dos sanitários. É uma querela silenciosa que se trava através da palavra escrita. Muitos são os expedientes utilizados para chamar à razão os cidadãos: violência semântica, chantagem emocional, queixume, súplica, desabafo, ironia, sarcasmo, laracha, humor, ou mesmo a combinação de recursos variados para resultados mais eficazes e, quem sabe, mais duradoiros.

Imagem gentilmente cedida por Bernardo Tinoco.
(Lisboa, Junho 2016)

Anúncios

Não são fake news

Muito antes de estalar a problemática das ‘fake news’ (já que esta imagem foi captada em plena presidência de Barak Obama) eis um comerciante muito à frente do seu tempo com uma proposta inovadora de comunicação no ponto de venda.

Imagem gentilmente cedida por Sandra Almeida.
(Turquia, Outubro 2014)

Os piolhos festejam o Carnaval?

Apensar do calendário venatório definido em Portaria pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural restringir o exercício da caça durante o mês de Março a Javali (Sus scrofa), Gamo (Dama dama), Veado (Cervus elaphus), Corço (Capreolus capreolus) e Muflão (Ovis amon), há boas notícias para os caçadores. A caça ao piolho da cabeça (e por inerência à lêndea) não é objecto de regulação governamental, o que confere a permissão para a captura deste parasita sem quaisquer restrições geográficas, de sazonalidade ou quanto ao limite diário de abate por caçador.

No entanto, os entendidos aconselham a prática da modalidade durante o Entrudo. Têm a convicção de que estes insectos proliferam especialmente durante os corsos dada a facilidade de contágio entre cabeças humanas. E, por isso, são os municípios onde os festejos de Carnaval mais se adensam, as zonas de caça privilegiadas.

Por outro lado, vale a pena referir o escasso impacto que esta festividade tem na biografia de qualquer piolho. E isso constitui motivo para eliminar eventuais remorsos que pudessem comprometer a alegria do caçador.

Se não, vejamos:
Diz o adágio popular que “a vida são dois dias e o Carnaval são três”. Mas quando transposto para a realidade de um piolho, a matemática revela-nos um facto surpreendente. Tendo em conta uma esperança média de vida de 80 anos para um humano, os 2 dias de vida do adágio representam 0,01% desses 80 anos. Para um piolho, que é suposto viver cerca de 30 dias, esses 0,01% representam (com os devidos arredondamentos) 3 minutos de existência. Feitas a contas e as proporções, para um humano, a vida (2 dias) representa 67% da duração do Carnaval. Mas para um piolho, a vida (3 minutos) representa uns escassos 0,1%

O corolário deste raciocínio é que o piolho não apresenta longevidade suficiente para festejar o Carnaval. E como tal, quando caçado, não está a ser privado de um período de celebração.

Imagem gentilmente cedida por João Tinoco.
(Chiado – Lisboa, Março 2019).

 

 

 

À manhá

Neste cabeleireiro de homens é permitida apenas a utilização de acentos agudos, graves ou até circunflexos, mesmo quando seria necessário assinalar vogais nasais, como no caso vertente. O uso do til é, portanto, expressamente interdito, remetendo-o à sua insignificância e um dia, quem sabe, à extinção.

Este comportamento bizarro por parte da direcção do estabelecimento tem naturalmente despertado a curiosidade dos locais que têm tecido diversas teorias. Tratar-se-á de um impedimento fisiológico à nasalação de vogais e ditongos? Será uma questão estética ou até higiénica? Ou temos aqui um novo modelo de posicionamento no mercado da estética capilar assente na interpelação de potenciais clientes inquietando-os com pequenas escorregadelas linguísticas?

Imagem gentilmente cedida por Amílcar Monteiro.
(Ajuda – Lisboa, Fevereiro 2019).

Definir Beleza

A Beleza tem sido objecto de ampla reflexão em ensaios, tratados, estudos científicos, documentários, cursos e conferências. Materializada nas artes, definida e interpretada de diversas formas ao longo do tempo nas diferentes culturas, revela-se, por isso, difícil de ser classificada por critérios universais, estando longe de reunir consenso.

Mas, apesar de todas as interrogações que tem suscitado, eis a definição de Beleza encontrada pelo Centro de Estética “Dona Gira” que promete às suas clientes, através dos seus serviços de manicure, pedicure, depilação, entre muitos outros, o passaporte para uma verdadeira transformação interior. Quem duvida do poder de umas unhas de gel ou de uma extensão de pestanas?

Coimbra, Outubro 2017.

Tricharme

Arroubo de criatividade onomástica a caminho do Dino Parque da Lourinhã. Charme em triplo prometido depois de um lanço de escadas que desemboca numa porta em caixilho de alumínio anodizado.

Lourinhã, Abril 2018.

Onde está o puxador?

Subtilezas da vida em condomínio.

Estoril, Agosto 2018.

Sem saída

Quando a luz ao fundo do túnel não é sinal de nada… há que reforçar a comunicação.

Stop_r

Imagem gentilmente cedida por Rute Vicente.
(Lisboa, Novembro 2012)

Anúncios
%d bloggers like this: